Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Tipos de ciclistas em Berlim

05.10.16

Já aqui falei de como andar bicicleta em Berlim me faz feliz, excepto com o senhor meu moço, que me deixa os nervos em franja. Foco! Foco! E voltemos tema Depois de um ano em Berlim e de meses de trabalho de campo, anotações e recolha e análise de dados, aqui ficam os tipos de ciclistas made in Berlim - só para rir um pouquinho, que para tristezas já basta o sacana do inverno! Sim, eu sei que é Outono, mas olhando para a janela, ninguém diria!

 

O Speedy González

600_402358992.jpeg

Ainda o laranja não deu um ar da sua graça e alaaaaa, lá vai ele cheio de pressa e energia. O ciclista Speedy González finta carros, ultrapassa ciclistas, mete-se entre autocarros, salta passeios e quatro minutos depois, lá nos encontramos nós outra vez, junto ao semáforo seguinte - sim, porque ele para no Vermelho, que isto é Berlim, não é o Velho oeste!

 

O quitado

O quitado é um ciclista preparado. Ou simplesmente, é alemão. O quitado tem capacete, tem luvas,... Mas o mais importante é que o ciclista quitado, em termos de vestimenta, faz ver a muitos profissionais, do Giro a Itália ou do Tour em França! Ele é calção de licra coladinho à pele e a fazer pandan com a camisola, juntamente com a bela da sapatilha desportiva. E, claro,a mochila, sempre gorda e sempre cheia. O ciclista quitado é aquele que chega ao trabalho, toma banho e ainda muda de roupa.

 

 

O Berliner 1.0 ou o Bambi

Quando se inicia nesta vida de bicicleta em Berlim, o Berliner 1.0 é tipo um Bambi, mas com a mãe. Ele para em todos os semáforos e olha umas quatro vezes para a direita e outras quatro para a esquerda, antes de atravessar. O Bambi ainda não está confiante, mas dêem-lhe tempo... sim, amigos, os Bambis crescem!

 

O Berliner 2.0

O Berliner 2.0 é uma versão do Bambi, um mês depois. No fundo, continua igual à versão primária e com a bicileta ranhosa, só que já é mais confiante. Já sabe algumas manhas e já arranca quando o semáforo está cor-de-laranja, em vez de ficar à espera da luz verde. É a evolução, como disse o outro. No entanto, nada temam, pois o dentro dele ainda há um Bambi e cada vez que tem que passar pelo meio de camiões e autocarros ou um carro passa mesmo ao lado, o Berliner 2.0 fica com o coração nas mãos!

 


Os "isto é tudo nosso"

Uso o plural, porque não existe um ciclista "isto é tudo nosso" pois, esta é uma classe que se movimenta aos pares e pedalam, literalmente, lado a lado. São aquela gente irritante e (digo mais) enervante, que até numa subida, continuam com fôlego para falar da vida. E que dizer quando os casalinhos vão de mão dada? Alguém que vá atrás e queira ultrapassar estas alminhas está bem fooo... lixado! É que eles não dão espaço, não se alinham, nem deixam passar. Mas o que os torna verdadeiramente confiantes é quando nem com os carros a passarem desfazem o duo dinâmico e isto, meus amigos, é obra.

 


A super mãe/O super pai

Não, não é a cadeirinha de plástico na parte detrás da bicicleta que os denuncia - isso, no fundo, é uma marca materna/paterna de Berlim (cada vez que penso que a sociedade espera a mesma proeza de mim, caso venha a parir nesta terra, até se me dá um chilique!). A super mãe e o super pai têm a dita cadeirinha atrás e ainda andam com um carrinho anexado (não importa se à frente ou atrás), onde levam o resto das crias. A super mãe e o super pai são pessoas que pedalam e bufam, bufam muito. Há que respeitá-los.

 

 

Os paizinhos

Toda a gente se emociona coma amabilidade destes pais, cuja paciência é infinita e deviam ser canonizados. Quantos de nós teríamos pachorra para pedalar na estrada a passo de caracol, enquanto o nosso rebento de tenra idade vai no passeio, a aprender as leis pelas quais os ciclistas se regem?! Na minha opinião, estes pais andam é a enganar a sociedade, porque o que eles querem é que o puto seja auto-suficiente e capaz o quanto antes, para terem de deixar de os carregar para todo o lado, espertos!

 

 

O passado dos corn... desculpem, o maluqinho

Se é bem verdade que a vida de ciclista em Berlim, está longe de ser perfeita (ainda há muito para melhorar), dá 5 a zero à maioria das cidades europeias. No entanto, shit happens: um carro que se mete onde não deve ou que se chega demasiado à ciclovia, um peão que atravessa fora de tempo, etc. Obviamente, nestes momentos de susto a adrenalina sobe e uma pessoa é capaz de muita coisa. Mas nada supera os exaltados que dão patadas nos carros ou murros ou que gritam às almas que passam. Outra forma de os identificar é através da campainha, é que os maluquinhos andam sempre no blim-blim-blim, nem que estejam a cinco metros do local do crime. São gente que gosta de dar de si!

 

4 comentários

Comentar post