Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Vi o documentário da Maddie na Netflix e pensei

30.03.19 | Maria vai com todos

Maddie-documentario-netflix.jpeg

 

Possivelmente, cheguei tarde à festa, mas só ontem acabei o documentário sobre o desaparecimento da Maddie, da Netflix. Se em boa verdade aquilo poderia ser encurtado e ser coisinha para render uns cinco episódios,  não deixa de ser meio alucinante (acho que é esta a palavra), quando vemos a cronologia dos acontecimentos.

Além disso, há tanta, mas tanta coisa que fica por ser esclarecida! Aqui vão alguns pensamentos que tive enquanto via o documentário:

 

  • Então, o Gonçalo Amaral anda a ser investigado por má conduta no caso da Joana e ainda assim é-lhe dado mais um caso? E se não fosse pela investigação, como é que depois da salganhada que aquilo foi, o caso não foi dado a outro inspector? Ou ele é o único inspector do reino dos Algarves?

 

  • Ok, estou de acordo quando se diz que ir deixar os miúdos em casa e ir jantar é mau. Contudo, não há paciência às 23982 considerações que são feitas ao longo do documentário sobre a postura da mãe (sempre ela, obviamente!). Ora porque não chorava, ora porque não era carinhosa, ora porque os ingleses são pais do demo, sem coração! Como se a dor e tristeza se medisse e se quantificasse. Como se só as lágrimas pudessem provar a infelicidade.

 

  • Não há pachorra para os primeiros episódios com os coitadinhos dos jornalistas a queixarem-se que não sabiam de nada. 

 

  • Contudo, nada me chocou tanto como a história do ADN. Com que então, o sangue encontrado na casa nunca foi da Maddie?! Ver a própria jornalista da RTP (a Sandra Felgueiras), que anos antes declarava a pés juntos que o ADN era da menina, a dizer que afinal também ela tinha sido enganada e, mais, a assumir que a fonte dela era o Gonçalo Amaral, foi....! Obviamente que os jornalistas têm as suas fontes, mas ela e tantos outros jornalistas acreditaram nele! NELE! No Gonçalo Amaral... um investigador com um percurso pouco bonito (caso Joana, por exemplo). Ou seja, ela e tantos outros fizeram-nos acreditar (eu achava que sim), que o sangue sim, era da miúda. E a fonte? Ele! Nunca nenhum deles sequer viu o relatório na altura em que este tipo de informação era bradado aos quatro ventos e que levou tanta gente a achar que os pais estavam envolvidos!

 

  • E uma nova investigação ao caso da Joana, humm?

 

  • Sim, porque o problema não é a Maddie ter helicópteros, nem toda a atenção do mundo! O problema é as restantes crianças desaparecidas não angariarem igualmente essa mesma atenção, que isto seja muito claro! Não se pode culpar os pais da Maddie, por estarem a fazer tudo o que podem para que a filha deles não seja esquecida e que as buscas continuem. Uma pena é que outros casos não tenham a mesma influência mediática!

 

  • Outra coisa no documentário que me custou a tragar foi o mega-milionário e o filho que ajudaram, por filantropia, os pais da Maddie e que na verdade, mais pareciam dois putos novos-ricos a brincar aos detectives, sem respeito, nem consideração pelos direitos dos outros.

 

  • E se eles são maus, o que dizer do outro detective fraudulento? Pobres pais! Só lhes tocou loucos - não lhes bastava o Amaral!

 

  • Sim, porque muito do trabalho da PJ que foi feito na Praia da Luz foi de facto vergonhoso: a reconstituição do crime que nunca foi feita; o não seguir outras pistas, nem linhas de investigação, parecendo mais preocupados em provar a teoria (os pais mataram), do que outra coisa; a maneira que punham e dispunham da vida dos arguidos (19 horas a ser interrogado? Nunca indicar em qual drive teriam encontrado o "suposto material com pornografia infantil"?...). Já não é a primeira vez que a PJ é acusada de falhar em casos de crianças desaparecidas - veja-se o caso Rui Pedro e a forma terrível como a família, em particular a mãe, foi tratada pela polícia nos primeiros anos!

 

Enfim! E no meio disto, a miúda que continua desaparecida!

Quem é que vai salvar o SNS?

17.03.19 | Maria vai com todos

saude em portugal.jpg

 

Sou de Coimbra, ou seja, pessoa com a vida facilitada e com dois hospitais à porta: o Hospital dos Covões e o Hospital Novo, esse grande colosso no que toca a vanguarda e medicina no país. Em Coimbra, todos sabemos que os Covões sempre foram o primo pobre do Hospital Novo. Contudo, lembro-me de ser operada e ser bem tratada. Também me lembro dos tempos em que o Hospital Novo de Coimbra era "um hotel de 5 estrelas". Agora é um despojo: buracos nas paredes, sanitas sem tampos, ladrilhos saídos, etc. E não, não é só a falta de dinheiro, há ali uma GRANDE falta de cuidado e de manutenção.

Deixa-me triste ver que numa cidade com dois hospitais, os privados têm crescido que nem cogumelos: ele é CUF, ele é IDEALMED, ele é Hospital da Luz e outros que mais!

 

huc.png

Sala de espera dos HUC

A semana passada tive que ir ao Hospital Novo: três horas de espera, bancos na sala de espera de plástico e partidos, falta de lugares para tanta gente, pacientes em cadeira de rodas e a ter de esperar duas e mais horas - e deus nos livre que alguém reclame, porque já se sabe, o tempo dos médicos é sempre mais preciosos do que o nosso, comuns mortais, que devíamos estar gratos, por alguém nos atender.

Atendeu-me um médico que nem cinco minutos perdeu a ler o historial e a fazer perguntas tão parvas como "quer ser operado?"; enquanto interrompia três vezes a consulta (que nem de 15 minutos durou), para atender o telemóvel. No final disse qualquer coisa como, "se não lhe chamarem para operação em seis meses, vai para o privado. E não se preocupe: o Estado paga".

Pois, eu sei que paga, mas eu não quero privados. Eu não quero a privatização da saúde: eu quero um sistema de saúde público de primeira qualidade e a funcionar para todos. É pedir muito?

10 Coisas que um homem pode fazer pelas Mulheres

08.03.19 | Maria vai com todos

homem mais feminista.jpg

1. Questionar-se

Desconstruir ideias é o primeiro passo para entender que vivemos num  mundo machista. Aceitar que ocupa uma vida de privilégio. Claro que o indivíduo, pode ter uma vida de caca e ser infeliz, contudo isso não faz do seu genero desafortunado ou sofrido. Logo, desconstruir é o primeiro passo.

 

2. Falar com elas

Para isso, o primeiro passo é falar com elas. Logo aí, vão descobrir histórias de mulheres que são questionadas se vão ou não ter filhos numa entrevista de trabalho; assim como de amigas que já fingiram estar ao telemóvel ou atravessaram a rua, porque havia um grupo de homens. Vão também aprender histórias de irmãs que limpavam a casa, enquanto os irmãos jogavam futebol. Ou de colegas, cujos maridos não pagam a pensão de alimentos.

 

3. Ir mais longe

Se ser mulher é fofa, ao nosso lado é bem pior no Gana, na Árábia Saudita ou na Índia. Há mulheres mutiladas, outras que casam aos 11 anos e outras que jamais irão na escola. A razão? Ser mulher.

 

4. Parar de se desculpar e evitar a defensiva

Obviamente que há homens decentes. Nós mulheres sabemos disso. Logo, não faz falta nem que defende atitudes, nem que se desculpe por todos os homens. Comece por si.

 

5. Rever o discurso

Todos os dias reproduzimos discursos machistas e micromachistas, por vezes até sem nos darmos conta - "isso é para meninas", "homem não chora", etc. Obviamente que são apenas palavras, contudo as palavras têm força. Ser consciente disso e ir, pouco a pouco mudando o discurso é meio caminho andando para mudar também acções.

 

6. Entender que o feminismo não é moda e "fez coisas"

Que coisas? Possibilitou às mulheres vestir calças, ir votar e até trabalhar. Graças ao feminismo, não preciso da autorização de um homem para viajar!

 

7. Entender que o feminismo é também bom para ele

Quando se fala de feminismo, fala-se de igualdade. Ninguém, isto é nenhuma mulher, está a pedir mais do que um homem. Só quer o mesmo: oportunidades e também salários, direitos, etc. Os homens também ganham com o feminismo. Por exemplo:

  • Numa sociedade feminista, após um divórcio não é óbvio que é a mãe que tem de ficar com os filhos
  • Numa sociedade feminista, ser homem e ser vítima de abuso ou violência não é piada, nem motivo para gozo

 

8. Falar com outros homens

É importante que haja gajos que quando um grupo de amigos começa a assobiar a uma moça, saiba ser o homem que para com aquilo. Ou o amigo que questiona o outro quando deixa de ir buscar o filho para ir à bola.

 

9. Educar os filhos

E aqui não basta dizer, há que fazer. Não se trata de "ajudar em casa", mas sim: de COOPERAR. Uma criança que vê a mãe a cozinhar e o pai a limpar a louça, consegue perfeitamente assimilar o sentido de igualdade e de partilha. Acções valem mais do que mil actos.

 

10. Usar o seu privilégio em favor delas

E isto significa coisas tão simples como um "dar a palavra a" a actos maiores. Contudo, vamos começar pelos pequeninos, ok?

 

E mulheres: estes dez conselhos aplicam-se também a nós. 

Já somos 12 a morrer em Portugal

07.03.19 | Maria vai com todos

violencia-domestica-portugaç.png

 

Já vai em 12, o número de mulheres a morrer em Portugal, às mãos do companheiro.

12 vítimas de violência doméstica, num país que ainda acha que "entre marido e mulher não se mete a colher" e que isso do feminismo é coisa de histéricas.

 

  • Homem ou mulher, se és vítima, não fiques calado. Protege-te e denuncia:

A APAV disponibiliza ajuda às vitimas, de forma gratuita e confidencial. Ao teu dispor tens o Número de Apoio à Vítima: 116 006 (chamada gratuita das 9h00 às 21h00). 

  • Cidadão:
    Violência doméstica é crime. Se vês ou sabes de algo, denuncia. Mete o bedelho.