Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Os quartos dos filhos

31.12.14

Alguns amigos meus dizem-me que os pais deles mantêm de forma quase religiosa o quarto deles, mesmo após já terem saído de casa. Alguns até têm filhos.

No meu caso, a mudança foi gradual.
Primeiro tiraram as fotografias, pois tinham que pintar o quarto. Depois, colocaram uma máquina de costura.

E agora mudaram a cama, tendo o meu quarto sido convertido oficialmente num quarto de hóspedes. Restam-me os livros, alguma roupa e as minhas caixas e caixinhas.

Eu sempre guardei tudo - papéis de rebuçado, bilhetes de metro, pétalas de flores, etc. Eu que tenho uma memória de miséria, no que toca até a pessoas; mas consigo recordar-me só de olhar para um papel de sugo, o que fiz, com quem estava e a importância desse momento para mim.

Por isso, na outra noite, quando a minha mãe me veio com dois sacos de tudo o que restava da minha antiga secretária, para ver "o que presta", eu entrei em pânico.

Angustia-me pensar que possa ter ido para o lixo alguma coisa importante. O desenho de alguém. Um texto meu. Uma carta de um amigo.

Madrid me mata ou coisas de e/imigrante

23.12.14
Gran Via (Madrid), oito da manhã


A prova como Madrid estraga uma pessoa:

- Não estou em Madrid, é quase meia-noite e não há restaurantes abertos, nem um café que faça tostas. E como é que eu fico? Indignada, pois claro.

- Não estou em Madrid, peço uma cerveja  e nada de tapas. Nem uma batatinha! E como é que eu fico? Indignada, pois claro.

Sobre os dias e as épocas caca para se nascer e ser aniversariante!

22.12.14

Sou toda uma pessoa dada a aniversários. Gosto da festa, da celebração, do carinho e que se lembrem de mim. É verdade, sou um vil ser, sem auto-estima, que aprecia carinho e afecto.
Adiante.
Como nasci num dia de particular piroseira mundial, sempre dei por mim a pensar que há alturas mesmo más para nascer. Cá vão:

Nascer no início/final de Dezembro, início de Janeiro.
"Ai-ai-ai-que-o-Natal-está-a/já-passou". Conclusão? O pobre aniversariante fica remetido à humilhante condição de apenas poder ter uma BOA prenda.
Já para não falar que festas de aniversário com gorros de Pai Natal e luzinhas natalícias... ninguém merece!

Pior mesmo, só fazer anos na semana do Natal.
Assim sendo a festa de aniversário, passa a festa familiar e, ainda pior, o presente do Natal passa a ser também o dos anos.
E para piorar: crescer numa família beata e ter que escutar constantemente as belas anologias do "és um menino Jesus"!

Depois há o terror dos aniversários no Verão, em particular em Julho e Agosto.
Toda a gente está de férias! O que é suposto celebrar? Ou melhor: com quem? Onde estão os meus amigos?

Outro dia bastante lamentável para se nascer, é no Dia dos Namorados.
Todos os aniversariantes deste lindo dia, com certeza cresceram escutando:
- "Que sorte que tu tens, quando tiveres um(a) namorado(a) vais receber duas prendas. Ou então não! Ele(a) pode ser um(a) forreta e tu só receber uma!"

Nascer no dia 29 de Fevereiro.
Agora a sério: o que é aquilo? É suposto haver um lusco-fusco temporal para a celebração. E sim, ok, podem sempre celebrar no dia 28 ou dia 1 de Março... mas isso não pode ser a mesma coisa. Ou é?

E depois, claro, há os dias festivos de cada país.
Em Portugal, uma criança que nasceno 25 de Abril é presenteada com cravos vermelhos. No mesmo dia, na Ucrânia, é o dia dedicado aos documentários na TV e a não esquecer o desastre de Chernóbil. Vidas!

Mais alguma idéia por aí?

Pág. 1/3