Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens.

Ilze vive em Riga

28.07.14 | Maria vai com todos
Riga, Letónia


Como sempre, depois das aulas passou nas Rigas Galerija.
Gostava de passear por aqueles corredores. Experimentava vestidos. Cobiçava sapatos. Acrescentava malas à lista de desejos. Recolhia amostras de perfumes. E por duas vezes aventurou-se a levar dois cremes sem pagar.
Por vezes, ia com as amigas. Falavam dos rapazes. Sobretudo dos estrangeiros que chegavam à universidade. Eram bonitos, educados e tinham dinheiro.
Juntas, elas falavam dos amores, das casas nos novos países onde viveriam e das viagens que fariam com eles. Todas sonhavam com grandes casas, idas ao spa, férias em praias paradisíacas e filhos de nome Thomas ou Marie Claire.

Depois, Ilze passava no Rimi, onde fazia as suas compras. Naquele dia levou uma salada de maionese, um chocolate Laima e dois vernizes em promoção.

Ilze tem 22 anos e apesar de russa no passaporte, ela nasceu em Riga, na Letónia.
Quando o país conquistou a independência em 1991, ela tinha 5 anos e lembra-se que os desenhos animados deixaram de ser em russo e de deixar a casa com jardim, para viver numa casa a cheirar a mofo, junto ao mercado das pulgas. Passou a dividir a cama com a avó, que morreu dois anos depois. A avó de Ilze chorou todas as noites até à noite da sua morte. Todas.

Em sua casa em família eram como estranhos. Habituados aos silêncios, os olhos já não se cruzavam. A mãe outrora de pele branca e mãos suaves de pianista, engordara e vendia roupa em segunda-mão para as matronas letãs e russas. O pai bebia até se esquecer do presente, vivendo num passado que Ilze nunca conheceu.

Todas as noites, Ilze saía. Bem maquilhada - mito bem maquilhada. E de saltos altos. Mesmo no Inverno, nunca saía sem os saltos altos. Os que levava hoje já estavam um pouco gastos, mas nada que um marcador negro não resolvesse.

Assim que chegada ao bar, sentava-se e pedia um Martini Branco. Minutos depois e alguns olhares trocados e ela já estava acompanhada.
- Hi! Do you speak english? - perguntou-lhe o rapaz de sardas.
Não era bonito, Ilze sabia-o, mas bastou uma mirada rápida para os sapatos do home e Ilze soube logo que ele tinha potencial.
- Yes, I do - respondeu, enquanto sorria, um sorriso que nunca partilhava com ninguém mais, enquanto que com a mão colocava o cabelo para trás do ombro.
- My name is Tony. And you? - perguntou o jovem, chegando-se mais perto de Ilze.
- "Tony" - disse ela. E Ilze pensou também no Anthony em Abril e no Pierre em Dezembro passado, mas desta vez ia ser diferente.
Ela sabia que ia. Tinha que ser.

É da Roménia

23.07.14 | Maria vai com todos
Manuel Becerra, Madrid, Espanha


Era assim, sempre que eu ia às compras lá estava ele. Moreno, sem dentes, mas sorridente. Poderia passar uma tarde a contar, que mesmo assim não seria suficiente para contar todas as rugas que tinha na cara. Junto ao bingo da Plaza lá estava ele ao fim do dia: ora de mão estendida, ora de mãos nos bolsos.
Ao principio apenas passava por ele.
Depois vieram os sorrisos e o "¡Hola!", "¡Buenas tardes". Em pouco dia chegamos ao educado espanhol "¿Que tal?" - que ao contrário do português não requer resposta é apenas uma forma educada de fazer notar o outro, para depois (educadamente) seguir em frente. Passei a deixar-lhe um saco de comida. Leite. bolachas, pão, maçãs, iogurtes.
Em pouco tempo vieram as descobertas.

É da Roménia. Não compreendi de onde, exactamente.
Há dez anos que está em Madrid. Ou talvez mais.
Todos os anos volta lá.
Viver nas ruas de Madrid é melhor do que lá.
Muito melhor.
O dinheiro ia para a família. Sem, ele faz dinheiro. Mais do que lá.
Tudo é melhor do que lá. E ri-se.
Tem filhas.
Três delas em Madrid.
De vez em quando vai a casa delas comer. Não pode ser sempre, que os maridos não gostam.
Menos de uma. Essa é uma puta, pois casou-se com um espanhol. Ele não quer um espanhol para genro.
Dormir na rua não é tão mau assim. Madrid é quente e as pessoas "se pasan de mí".
E no Inverno? No Inverno, ele tem um saco-cama como os da tropa, ali não entra frio. A pedido, eu toco no saco-cama e comprovo por mim mesa
Há centros em Madrid, onde gente como ele pode dormir, mas tem que pagar pela estadia e ele não quer gastar esse dinheiro.
Mais pessoas dão-lhe comida.
E para eu não lhe dar mais maçãs, como tem poucos dentes são-lhe muito difíceis de comer, explica-me.

Desde que mudei de bairro nunca mais o vi.

Maria do Carmo, do Estoril

23.07.14 | Maria vai com todos
Estoril, Portugal

Ela chama-se Maria do Carmo, tal como a avó paterna, que a obrigava a beber chá de costas muito direitas, ao primeiro sábado de cada mês. Ela nunca diz o apelido, porque só ele já a esmaga, tal o peso dele.
Maria do Carmo há 20 anos que não consome qualquer tipo de droga. “Estou limpa” diz. E não há qualquer tipo de orgulho na sua voz. “Estou limpa” diz apenas.
“Limpa”, ela vive sozinha, numa casinha pequenina. É um terceiro andar com sardinheiras vermelhas à janela, em Campo de Ourique. A casa tem só um quartinho. “É pequenina, mas muito limpinha” diz Maria do Carmo com orgulho, enquanto me oferece uma xícara de chá.
Em cima das rendas da cómoda tem três fotografias. Numa vê-se a Maria do Carmo que tenho ao meu lado, nos jardins dos Jerónimos. Ela recorda-se dessa tarde de Junho, em que foi com uma amiga “comer um Pastel de Nata".
Na outra foto está uma Maria do Carmo muito mais nova e bonita. Vê-se-lhe o cabelo castanho claro, com ondas, caído nos ombros. O vestido vermelho é simples e assenta elegantemente àquela Maria do Carmo, que tem à sua frente uma mesa farta de bolos e bolinhos e porcelanas, com rebordos dourados. Ao seu colo, um bebé de roupa de marinheiro e ao seu lado, uma menina muito séria, de cor-de-rosa e lacinhos.
Na terceira foto estão dois jovens, já adultos. São "os meus filhos", disse-me ela.

Num passado muito lá atrás, Maria do Carmo teve tudo.
E teve uma paixão e pela qual “feztudo”. Uns charros, umas snifadelas e depois a heroína. Pelo meio, muitas discussões . A mãe fechada no quarto em silêncio e o pai aos gritos por não aprovar aquela paixão. Ao que Maria do Carmo respondia. “Eu fujo papá!”.
Houve até um casamento, com uma barriga enfaixada, celebrada com chutos de heroína, na casa do Estoril.
Mais tarde mais gritos. Até o silêncio da mãe se tornou ensurdecedor! Até que nasceu a primeira filha, a Maria Paula, uma bebé muito magrinha e muito chorosa.
Houve um dia em que o anel de diamantes da mãe desapareceu e a Maria do Carmo jurou a pés juntos que não era culpa dela. Foi a Luisinha, empregada da casa há mais de trinta anos que acabou culpada... e despedida.
Depois nasceu o Artur, ainda mais pequenino e prematuro. Mas desse tempo Maria do Carmo já não se lembra de muita coisa. “Dormíamos no chão, já não tínhamos cama. Tudo o que podia ter sido vendido, já tinha sido”.
Um dia, a Maria do Carmo  voltou ao andar onde vivia e os filhos não estavam. O pai de Maria do Carmo levara-os. “Eram crianças muito caladas, eu acho!”.
A sua grade paixão trocou-a definitivamente por outra começada por “H” e um dia, ele não voltou para casa. Maria do Carmo não se lembra da última vez que o viu ou do que falaram. “Estávamos os dois demasiado metidos na heroína. Se calhar, ele até se me disse adeus! não sei!” conta Maria do Carmo.

Todos já se tinham ido. A ela, só lhe restava a heroína e logo depois a rua e depois roubar e depois mendigar. Chegou uma altura em que nem roubar podia: “Fisicamente estava numa lástima,  todos me olhavam quando eu entrava numa loja! Eu era muito suja”.

Enquanto isso, os filhos cresciam, com uma mãe que aparecia aos domingos. “Estava meses sem ir. E eles sempre lá, à minha espera, limpinhos. Quando eu chegava o meu pai obrigava-me a tomar banho e a empregada vestia-me. A minha mãe nem vinha mais. Ela, coitadinha, não aguentava. Era o meu pai quem ficava comigo e com as crianças. Os quatro: calados no jardim! Eu não podia nem entrar em casa.”

“É por isso que eu agora não os quero ver. Fiz-lhes muito mal. Não fui má mãe, porque nunca cheguei a ser mãe. Eles estão melhor sem mim. Estamos todos melhor assim.” conclui ela.