Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Pense duas vezes antes de andar de elefante

 


Sempre que um amigo meu vai de viajar para a Tailândia, dou por mim a recomendar o mesmo sítio: o Elephant Nature Park, perto de Chiang Mai.
Este parque é como um santuário de elefantes, que são muitas vezes resgatados (leia-se comprados) aos donos, para que os elefantes possam viver em boas condições.

Quer na Tailândia, quer noutros países, os "passeios de elefante" são bastante comuns. Vários turistas desembolsam um bons euros para passear em cima do bicho.
O problema, sinceramente, não é a "carga humana" - já viram um elefante? Se um cavalo consegue transportar sem problema um ser humano, imaginem um elefante. Somos uma pluma. Além disso, no meio de florestas e selvas é perfeitamente compreensível que se usem elefantes para transportar cargas, bens agrícolas, etc. Sim, o ideal seria que fossem animais selvagens e livres, mas isso também seria o ideal para os cavalos e até mesmo para os gatos. Nenhum animal nasce ou foi concebido para ser "doméstico", isso sempre foi tarefa humana. Avante.
Com os elefantes, a principal questão das organizações que estão no terreno é a forma como são domesticados. As organizações entendem o quão vital é o uso dos elefantes (e outros animais) na economia e sustentabilidade de muitos agricultores e construtores - e, claro, agentes turísticos. A pensar nisso, canalizam esforços para que a dita "domesticação" seja feita de forma correcta e sem violência.

Semanas depois do nascimento, os bebés elefantes são retirados das mães e metidos em jaulas de bambu. Durante semanas e meses, toda a aldeia agride, bate, espanca, chicoteia, etc. o bebé elefante. Tudo isto ainda é mais cruel ainda quando se conhece a natureza de um elefante. Falamos de animais extremamente protectores e sensíveis, que vivem em família e, mais, são animais que choram, o que, do ponto de vista humano, torna tudo ainda mais emocional. Para a mãe do elefantes, isto é também bastante traumático e muitas não lidam bem quando são separadas das crias.
Com este ritual, os praticantes acreditam que estão a tirar os "espíritos maus" do elefante, como se toda aquela violência não fosse sentida pelo elefante bebé, mas sim, pelos seres malignos que nele habitam. Acreditam que retirados os espíritos, o elefante fica dócil. Tornando-se, assim, domesticável.
Na verdade, tornam-se animais nervosos, constantemente agitados e a viver em stress. São animais que nunca estão parados e muitos acabam por morrer antes do previsto. 

 

No Elephant Nature Park há elefantes que foram resgatados de toda a Tailândia. Cada um tem a sua história. Ficam aqui algumas.

Uma das coisas que nos dizem no parque é, "olhos! Cuidado por onde andam, pois há muitos elefantes cegos". Oi? Pois bem, muitos donos para os subjugar, para os fazer andar mais rapidamente, etc. usam umas pequenas foices, bem bicudas, com que lhes vão batendo. A pele de um elefante é bastante dura, daí a foice ser tão afiada. Para o castigo ser mais efectivo, usam a foice para agredir os olhos do elefante muitos acabam cegos.

Também havia elefantes coxos, devido às bombas que (ainda) existem, sobretudo na fronteira com a Birmânia e do Camboja.

Havia uma elefante enorme, que de um lado era como se tivesse um corpo gigantesco a sair. Juro que pensei que seria um tumor ou algo assim, mas a história era pior. A elefante tinha ficado grávida e uma gestação elefante pode ir até aos 22 meses. Na recta final, as pobres mães pouco se mexem, afinal, há um bicho que pode chegar aos 100 quilos dentro delas. O dono tinha pressa que o animal parisse, pois precisava dela para trabalhar e... forçou o parto. Resultado? O bebé morreu e a mãe ficou com aquele "defeito" para sempre, passando também a ser inútil (para ele).

 

elepahnt nature park.jpg

Hora do banho.

 

A fundadora do parque é uma tailandesa chamada Lek Chailert. O pai e toda a família eram caçadores de elefantes e ela optou por dedicar a sua vida a salvá-los. O parque vive de doações e do dinheiro das visitas. Há também voluntários que podem ficar durante dias e semanas (pagando alojamento, obviamente) e alguns eram estudantes de veterinária.  Além dos elefantes, o parque dedica-se também a salvar cães, que na Tailândia não são propriamente visto como os "melhores amigos" do homem e, por norma, são bastante destratados.

Esta foi possivelmente a actividade mais cara que fiz na minha viagem à Tailândia. Se não me engano, paguei cerca de 50 euros por um dia, mas vale totalmente a pena. Fiquei com pena de não ter feito mais dias.O sítio é lindo, verde, cheio de montanhas e com um rio. Os elefantes andam livres, na companhia das suas novas famílias (existem bebés) e é bom quando sabemos que estamos a pagar para um local que trata bem e respeita os animais, sem truques, chicotes ou sem forçar situações. O dinheiro é também usado para resgatar outros animais. Sim, porque os donos, mesmo com os animais cegos ou coxos, só os deixam ir, depois de receber uma boa quantia. 

Se um dia vão à Tailândia, não deixem de ir aqui! Vale MESMO a pena!