Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

O vídeo da CMTV de que todos falam

Captura de ecrã 2017-05-17, às 18.07.58.png

 

Eu juro que tento ser muito ponderada nas minhas críticas ao grupo do Correio da Manhã e com o jornalismo em geral. Durante muito tempo quis ser jornalista. Quis tanto que até fiz o curso, mas a experiência foi-me decepcionando e a precariedade foi a gota que me fez afastar da profissão.

Sei que há bons e maus profissionais e sei que mesmo os bons são, muitas vezes, arrastados. Por mais que nos impinjam a historieta do jornalista sério e imparcial, cujo único interesse é o público, a verdade não é essa. Há uma empresa e, como todas, precisam de fazer dinheiro. Acredito que muitos jornalistas, sejam os que trabalhem no Correio da Manhã ou no Público (que já perdeu há muito a marca de jornalismo de referência em Portugal, para mim!) vivem todos os dias com essa dualidade. Essa, e claro, o combate à precariedade da profissão.

 

Por tudo isto, mesmo quando critico, tento ser compreensiva. Já achei que o Correio da Manhã passou das marcas muitas vezes. E hoje foi outra. Há um vídeo de uma jovem universitária, logo com mais de 18 anos, a ser alegadamente violada, diz a CMTV. Há as circunstâncias, que pouco importam, porque aquilo que tem de ser apontado e julgado é a partilha do vídeo da parte da CMTV (vídeos assim, partilham-se com a polícia), acompanhado pelo belo do “Veja o vídeo”.

 

No Brasil, aqueles que expõem vídeos de teor sexual são acusados de divulgação de pornografia, com pena bastante agravada quando são menores. Espero que neste caso, a CMTV sofra consequências sérias. Não falo de raspanetes deontológicos, nem de provedores inflamados, falo de acção legal com consequências.

Eu não sei se houve ou não violação, isso que trate na justiça. Eu não vi, nem quero ver o vídeo. Nem quero imaginar o horror, nem a humilhação à qual ela e ele estão a ser sujeitos - que consequências terá isto na vida de ambos? O que me inquieta é a CMTV chamar àquilo violação e partilhar um vídeo, chamando gente para ver. E isso, para mim, merece castigo.