Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Memórias de Varsóvia - parte I

Lembro-me de chegar a Varsóvia de autocarro, vindo de Cracóvia. Pelo meia paramos, numa qualquer terriola no meio do nada, onde a estação dos autocarros mais parecia uma nave espacial. Um circulo. Com um tecto redondo. Pelo caminho, cruzes, muitas cruzes. Poucas casas. Poucas pessoas. Mas muitas cruzes.

Na estação de camionetas de Varsóvia, à falta de opção, dirigi-me ao balcão de uma qualquer companhia, que com alguns desenhos e escritos num resto de bilhete, lá me indicaram como chegar ao centro e uns quantos hotéis para ficar – sim, toda eu, sou uma pessoa que viaja ao Deus dará.

 

“To the center please?”

“No, no!” E muito polaco. Como viajante bem guiada, deixei-me levar pelo braço até ao autocarro. Ao que parecia estava do outro lado. Fui. Entrei e paguei – nesta altura já eu era entendiada na moeda polaca e como qualquer europeia com Euro, maravilhava-me com o pouco que custava tudo. Caminho, caminho. Estrada, estrada. A porta abre e eu sou gentilmente convidada a sair “centre, centre”, apontaram.

 

“Mau Maria!!” penso eu. Era tudo tão bonitinho na Internet. Os postais em Cracóvia mostravam-me um centro mágico, de histórias de encantar, muitas cores e com flores nos beirais. Onde estava o chão de pedras que resistiu à segunda guerra Mundial ou os edifícios de cores pastel? Aquelas lindas paredes em verdde, laranja, azul e amarelo, reconstruidas pelos próprios polacos? Era tudo alto. Muitos prédios. Feios. Muito KFC, MacDonalds, H&M. Senti-me enganada, mas como a culpa é sempre minha, pensei logo: “apanhei o autocarro para o lado errado”.

Na paragem volto a tentar o inglês e à falta de quem me entenda, mostro o meu bilhete com as direcções. As mãos mexem-se, esquerda, direita, em frente. Afinal, é por ali. Sigo. Lá chego, depois de perguntar umas mais 273662734 vezes onde fica.

 

Quando entro, vejo que o meu hostel tem toda a pinta de ser uma antiga casa polaca. Mais tarde descubro que foi herdada da avó e que foi transformada num hostel, pela neta e pelo namorado. A casa dá para o total de 12 pessoas. Sou bem recebida e depois de me instalar (isto é: pousar a mochila), a menina dos piercings e das rastas, a neta, mostra-me a casa - que é linda.

A grande cozinha de azulejos, com cafeteiras já queimadas pelo tempo, a casa-de-banho que exigia mil truques desde a posição para fechar a torneira ao puxar o autoclismoou os truques para mater a água quente. No grande salão, há uma cadeira de baloiço e uma grande janela. Divido-me entro os dois, mas opto pela janela. E não é que os prédios feios e gigantes continuam lá? Sento-me, enquanto bebo um chã servido pela minha nova amiga que me conta que é polaca, de Varsóvia e me conta histórias da avó falecida. Como a casa é muito grande e há pouco trabalho na Polónia, ela optou por fazer dela um casa para quem chega e para amigos. O namorado (um polaco alto e de cabelo escuro, com muitos, muitos piercings também) dá-lhe uma ajuda.

Depois, dá-me um mapa de Varsóvia alternativa. Uma alternativa aos mapas de sempre, esses oficiais, feitos para turistas e não para viajantes. Este projecto, que há em mais cidades, permite conhecer o local pela perspectiva e opinião de quem nele vive. Logo percebo, que estou no centro de Varsóvia e que o tal, o bonitinho, é “coisa para turista ver”. A vida não é bonita na Polónia, nem o centro, explica a minha amiga nova. A minha amiga explica-me que só mesmo turistas e estrangeiros andam por lá, pois os altos preços das lojas e restaurantes, assim como as elevadas rendas, fazem com que os habitantes fujam deste espaço.

 

 

*Ler: Parte I e Parte II