Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Guia para viajar na África so Sul

viajar-africa-do-sil.png

 

Para alguém que quer ver bichos, cheirar a terra africana, confirmar que o pôr-do-sol por aquelas bandas é mesmo lindo e ainda comer e beber bem, a África do Sul é o país ideal. Muitos consideram-na como o melhor país para quem quer começar a viajar por África, porque é dos mais desenvolvidos e ricos países do continente. Eu acho que é tudo isso e muito mais, com a vantagem de ter elefantes e ainda uma costa que dá, fácil, fácil, 5 a zero à costa alentejana - desculpem lá!

Eu recomendo. Fiquei com África no Sul, tanto que pensei várias vezes (e penso!) "eu devia era viver aqui" e foi, sem dúvida, das minhas melhores experiências de viagem!

 

 

 

África do Sul clima: Quando ir?

giphy.gif

Para começar, não há um clima na África do Sul. Há climas! O país é gigante, com o Atlântico de um lado e o Índico do outro. Sim, os Verões são muito quentes e no inverno são comuns as temperaturas negativas. E lembre-se, quando estamos no verão, lá é inverno. Assim sendo, aproveite para ir entre Novembro a Marco e lembre-se que Dezembro e Janeiro são os meses quentes por lá.

 

 

A África do Sul é cara?

south africa.gif

 É.

Não é.

Na África do Sul os preços são muito parecidos com a Europa. Como tudo dá para fazer opções baratas (comi muito pão com queijo), mas no geral comer fora, atracções, etc. possuem preços bem Europa. Estamos num dos países mais ricos do mundo, não esperem cá bagatelas, nem preços tipo Marrocos. Mas há também muitos mercados de rua e a gasolina é (bem mais) barata do que aqui!

 

 

A comida na África do Sul é boa?

É, MUITO.

Tendo em conta a enormidade do país, poderão também contar com uma gastronomia bem variada - sobretudo em Cape Town, a Cidade do Cabo, que é possivelmente a cidade mais multicultural da África do Sul e onde comi muito comidinha indiana boa, BOA!  A gastronomia da África do Sul é muito baseada em carne e churrascos. São muito carnívoros e verdade seja dita, foi das melhores carnes que comi na vida - a industria da carne, inclusive exportações é gigante no país.

 

 

E a bebida na África do Sul?

Bem, amigos… vinhos M A R A V I L H O S O S! Praia, montes, desertos e, claro, muitas vinhas. A África do Sul tem mesmo tudo.

Eu que vivo na Alemanha e sofro horrores com o vinho mau (é mesmo muito mau aqui! E caro!) vibrava cada vez que pedia o vinho mais barato da carta e era simplesmente maravilho!

Na região de Cape Town há imensas vinhas. Em Hermanus vistamos uma lindíssima mesmo - casava-me ali. Conhecemos as empregadas super simpáticas e uma delas já bem tocada pelo álcool (ossos do oficio) e eu só pensava “é isto! Eu devia era trabalhar num sitio destes”!

 

 

Como são os transportes na África do Sul? É fácil viajar pela África do Sul?

viagens-baratas-africa-do-sul.png

 

Há comboio e há autocarros, mas eu não experimentei. Em Cape Town a coisa ainda safa, caminhos para todo o lado a pé usamos a Uber duas vezes. Já em Joanesburgo, usamos sempre o Uber - eu não gosto da Uber, mas não havia mesmo outra opção. Foi comer e calar.

Para viajar pela África do Sul e nas cidades, os transportes públicos são mito. Não há, há poucos, não chegam onde queremos… Moral da história: alugamos um carro - que é bem mais barato do que na Europa, verdade seja dita.

 

Além disso, as estradas são óptimas super seguras. Em 3 semanas, nós fizemos (preparem-se: 4 606 km de carro!!

E sabem aquelas historias de policias corruptos que inventam multas, para sacar dinheiro aos estrangeiros? Pois bem, fomos parados e aconteceu - pedia-nos qualquer coisa como 50€, o ordinário. Lá-se-me-deu uma luz e disse, “sim, senhor a lei é para cumprir, passe o papelinho, que a gente paga na esquadra mais próxima. Ora essa, não faz mal se é longe, somos gente séria e pagamos o que é devido”. Moral da história: deixou-nos ir sem pagar nada.

 

 

Alojamento na África do Sul

hotel-africa-dol-sul.png

 Nós fizemos sempre Airbnb, porque queríamos muito conhecer pessoas e entender, assim, melhor o país. No resto do país, como fomos de carro e era muito ao espírito de um dia de cada vez, ficamos em hosteis, pensões, pseudo-tendas com girafas no jardim, casas mais familiares,… um pouco de tudo e com a possibilidade de gente mais diversa, com histórias de vida interessantes.

Obviamente que o facto de irmos assim, “vamos indo e vamos vendo”, fica também mais caro. Reservar tudo com antecedência é mesmo a melhor forma de poupar numa viagem.

 

 

E as pessoas?

mandela.gif

As pessoas foram sempre muito simpáticas e solicitas connosco. Falavam, perguntavam, contavam coisas. Sendo nós brancos, tínhamos também a vida muita facilitada. O racismo na África do Sul é uma realidade e ainda é comum ver empregadas de farda (negras, obviamente) atrás dos senhores brancos. Os putos que vão a pé para a escola são negros. E no Cape Town hipster, brancos consomem e negros trabalham. Mas as coisas estás a mudar e ainda bem.

Mas o país e a sua história continuam a ser uma inspiração. Vale a pena ir lá por isso!

 

Segurança na África do Sul

Dos 83274 mil avisos que recebemos, acatamos um terço. Andamos muito a pé mesmo, mas lá está não esticamos a corda. E, atenção, o perigo maior é mesmo nas grandes cidades, nas localidades pequenas era tranquilo.

 

Em Joanesburgo todos nos diziam que nem pensar, andar a pé pelo centro da cidade, não, não e não. Tentamos fazê-lo para fazer um caminho de A a B de cerca de 40 minutos e foi terrível. A pobreza, os cheiros, sermos olhados de alta a baixo. Um horror. Um sitio onde a vida vale menos que nada. Houve um rapaz que nos começou a seguir e tínhamos de passar um túnel. Desistimos e fomos procurar um táxi e, tivemos sorte, encontramos um. Ou seja, conseguimos caminhar durante 25 minutos.

 

 

E viajar sozinho pela África do Sul, recomenda-se?

Sinceramente, acho que sim. Sobretudo por causa do surf, há vários viajantes a solo pelo país. Como em todo o lado, há cuidados a ter, mas fora isso, é tudo bem tranquilo e e as pessoas bem amigáveis. E como todos falam inglês, a coisa fica mais fácil.

 

 

O que ver na África do Sul? O que fazer na África do Sul? O que visitar na África do Sul? Onde ir na África do Sul? Quantos dias para visitar o África do Sul?

A primeira questão é mesmo: quanto tempo tens para viajar pela África do Sul? Aquilo é grande! Eu andei por lá 3 semanas! Aqui fica o meu itinerário pela África do Sul.

 

No mesmo dia que chegamos a Joanesburgo apanhamos voo para Cape Town

bokaap-africa-do-sul.png

Cape Town: Brincamos com os esquilos no jardim da cidade, fizemos uma free tour focada na parte política e histórica da cidade, fomos àTableMountain (uma das 7 Maravilhas do Mundo), vistamos o bairro suuuuuper colorido BooKap, fomos a alguns museus (como o Museu do Apartheid e outro dedicado às pessoas escraviadas em Cape Town) e apanhamos o barco até à Robben Island, a prisão onde o Mandela esteve preso anos e anos.

Tudo isto a pé e a ir a restaurantes locais.

Não vão na historia do “ai-é-perigoso não vão aqui, não vão ali”. Muitos brancos que nos diziam isso vivem numa bolha, mesmo nos bairros onde moram. Sim, há muita violência e também por isso, nós nunca esticamos a corda, sobretudo à noite, jantávamos perto de casa e antes das 23h00 regressávamos. Mas durante o dia era tranquilo mesmo.

Depois disto agarramos no carro e fomos indo à maluca, parando onde queríamos!

 

casinhas-coloridas-cape-town.png

Fomos a Muizenberg, onde estão aquelas casinhas coloridas na praia, uma imagem de marca da área da região.

 

pinguins-africa-do-sul.png

Paramos em Simon Town para ir visitar as colonial de pinguins africanos - digam lá se África do Sul não é incrível, eles têm pinguins!!! Um calor dos ananases e pinguins!

 

cabo-da-boa-esperanca.png

Fomos dar beijinhos ao Adamastor e visitar o Cabo da Boa Esperança - já agora sabiam que ali não há Indicio nenhum? É um cabo e há muita agitação, mas na verdade o encontro do Atlântico com o Indico dá-se no Cabo Agulhas, muitos km depois!

Andas pelas vinhas e fomos beber vinho a Hermanus - nesta baía é comum haver baleias que vêm aqui ter filhotes, mas é mais no fim do ano. Fiquei mesmo triste. Pelo meio passamos no Cabo Agulhas, aí sim, onde o Atlântico e o índico dão beijinhos! Uma ventania... eu voava! Nem uma foto decente deu para tura!

Fomos a Mosel Bay ver a replica de uma caravela e comer peixinho bom - e ir à praia! Pelo meio, ainda andamos armados em Tomb Raider só para ver focas ao longe, onde elas devem estar!

Passamos uma note ao relento, que frio, em Port Alfred a dormir com macacos no telhado e girafas junto ao carro!

 

praias-africa-do-sul.png

Vimos a outra África do Sul, dos meninos que vão a pé (km e km) para a escola, mas que tomam banho na agua quente do Índico e dormimos em Coffe Bay.

Comemos em Durban, onde pela primeira vez encontramos um restaurante com negros e brancos a servir às mesas e a comer.

 

visitar-krugger.png

Fomos ao Parque Nacional Kruger:, onde nos comportamos como putos de 5 anos a ver bichos. Estão a ver a Bélgica? O Kruger é uma reserva natural do tamanho da Bélgica dentro do país! Há imensos hoteis, acampamentos e lojas lá dentro, bem distribuídas e, sobretudo, muita bicheza. É dos poucos lugares onde se pode avistar os Big Five da vida selvagem - elefantes, leões , leopardos, rinocerontes e búfalos. Nós vimos todos! Fizemos dois safaris, que nos permitirão explorar partes, onde os carros são interditos e ver, loucura, um leão a comer uma zebra, mas a maioria do tempo foi passada no nosso carrinho alugado, uma emoção. Juro-vos, vale mesmo a pena - leiam mais AQUI!

 

A África do Sul está cheia de parques naturais e em todos há que pagar a entrada. E isso é bom, porque é uma forma de controlar e manter os espaços cuidados. Se vão ficar lá por algum tempo, façam as contas e vejam se compensa comprar o Wild Card https://www.sanparks.org/wild_new/ que dá acesso aos vários parques do país geridos pelo San Parks - quase todos. Nós compramos o nosso, porque fazendo as contas ao Krugger e a outros parques que visitamos, acabou por compensar.

 

Museu do Apartheid.png

Depois do Krugger, e 4 606 km de caro depois, chegamos a Joanesburgo, onde ficamos três dias até voltamos para casa. Sinceramente, aqui recomendo sinceramente uma visita ao Museu do Apartheid. Fora isso, podem-se ir embora!

Pelo meio vistamos florestas tropicais, fomos a parques de elefantes, comemos peixe cozinhado em fogueiras na praia, falamos com muita gente, discutimos o racismo, falamos muito do Mandela, conhecemos portugueses a viver por aquelas bandas, fomos ao Mac da África do Sul, vimos preços de casa, comemos muito pão com queijo e fruta boa. Fomos muito felizes mesmo!

 

 

A África do Sul é um país lindíssimo, que está também a passar por mil transformações sociais e políticas. Há o lado da violência que assusta, sobretudo porque é muito arbitraria, mas depois há tudo o resto que apela: a comida, as paisagens, as pessoas, a diversidade. Para vos inspirar e entender um pouco melhor a África do Sul, recomendo que vejam os stand up do Trevor Noah, ele é sul-africano e usa muito a história dele nos seus espectáculo - disponível na Netflix.