Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Ele é "apenas" o homem mais feliz do mundo

Varanasi, Índia

Num inglês tosco, ele dizia que era "apenas" o homem mais feliz do mundo. Punha as mãos na barriga gorda e repetia-o várias vezes.

Trabalhava desde criança naquela pensão, numa pequena rua de Varanasi, difícil de encontrar. A mãe deixou-o lá quando ele era ainda uma criança e ele lá ficou, sem nunca perceber se teria sido abandonado, esquecido ou até dado. Nada de anormal por aquelas bandas.

Nos primeiros anos lavava as escadas. Mudava as camas. Estendia os lençóis. Lavava pratos.
O sítio de que ele mais gostava era a cozinha. Apesar de pequena, quente e sem janelas, para ele sempre foi o melhor local da casa. Às cores das especiarias e aos seus cheiros, misturava-se a textura da carne fresca e com a perícia com que a velha cozinheira cortava os vegetais e as frutas.
A cozinheira era uma velha corcunda, muito morena e com mais rugas do que anos. Ela não falava muito, mas deixa-o estar na cozinha e ele observava.
De um dia para o outro, a velha começou a pôr demasiado sal na comida ou a confundir o açafrão com o caril. Um dia ela morreu e não havia ninguém para a substituir.

Os donos da pensão riram-se de quando ele disse que iria cozinhar. E enquanto todos se riam, ele cortava delicadamente o frango em troços, tirando todas as gorduras, juntando-lhe a cebola e os alhos em cubos perfeitamente picados e uma pitada de colorau - um segredo.
Quando o cheiro da carne se intensificou, as mulheres que cuidavam da roupa comentavam entre elas, afinal, onde já se viu um homem na cozinha?! Ele não se importou e ao pó de caril juntou coco e leite de coco.

Desde esse dia que a cozinha é dele. Ele deixou crescer o bigode e de esfregar o chão. Ele ganhou uma cama, comprou roupa nova. Desde esse dia, passaram-lhe a confiar dinheiro e a ser ele a  ir às compras no mercado junto ao Ganga.

Ainda hoje, ele faz questão de ser ele a servir os clientes. Diz que gosta de ver a cara das pessoas quando comem e que isso faz dele "apenas" o homem mais feliz do mundo.

3 comentários

Comentar post