Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

Maria vai com todos

Estórias. Histórias. Pessoas. Sítios. Viagens. Istambul. Riga. Cinco anos em Madrid. E agora Berlim.

As bilheteiras do Metro do Porto

metro-do-porto.png

 

Falar mal da CP? Check

Falar mal do Metro de Lisboa? Check

 

Segue-se agora o Metro do Porto, porque amigos, nem este escapa! Para mim o Metro do Porto é mais um comboinho. Nesse sentido, espero menos dele! Não espero grande velocidade, nem espero que sejam mais frequentes - se poderia ser, podiam, pois! Mas uma pessoa aceita! Eu, por exemplo, já aceitei que se quero ir para o aeroporto (o segundo maior do país!) tenho apenas 3 metros por hora. E sei que terei de ir em pé e a fazer acrobacias com a mala!

 

Agora o que eu gostava mesmo de ver nas estações do metro do Porto, era ver as máquinas a funcionar!

No passado domingo, das 3 máquinas na Estação de Campanhã, só duas funcionavam. E obviamente que havia fila e, sim, perdi o metro e tive que ficar ali mais 20 minutos à custa disto! Estava lá um funcionário, a quem comentei da máquina, ao que me respondeu (adivinhem lá!), “isso não é comigo, menina!” E para que não digam que eu sou dramática, das 6 bilheteiras do aeroporto, apenas 4 estavam em funcionamento - sim, eu fui ver! Só na curiosidade!

 

E sabem o que foi mais giro? Aqui a menina comprou o bilhete e na hora de validar, deu luzinha vermelha! Chamei novamente o senhor! Moral da história, parece que alguns cartões novos (atenção, eu comprei um novo cartão, não recarreguei um velho) simplesmente não funcionam! Como? "Tem acontecido" disse ele! E disse-me também que tinha de comprar outro! Como?

Menos mal que tinha o recibo comigo - aliás, tendo em conta o bem que funcionam e todo o meu historial, quer no Metro de Lisboa, quer no Metro do Porto, peço sempre o recibo na máquina!

 

Ao longo dos anos, já presenciei outras histórias no Metro do Porto, que isto, na hora do desastre, nem sempre foi drama na primeira pessoa! A saber:

  • Numa estação com apenas uma máquina, não ser possível comprar o cartão do metro, porque já não havia cartões disponíveis.
  • Vi num dia de inverno e chuva, um revisor a passar uma multa a uma senhora com um carrinho de bebé, depois de assumir que sabia que a bilheteira no sitio X estava fora de funcionamento. A solução dele para a lesada, era que tivesse ido à estação mais próxima.
  • Querer comprar um bilhete no aeroporto e nenhuma das máquinas que deveriam aceitar cartao, funcionavam - na altura, julgo, existiam 3 máquinas.

Continuo?

10 comentários

Comentar post